As consequências de tomar água em excesso

Saiba quais as consequências de tomar água em excesso e qual a quantidade recomendada por dia.

Sabe aquela frase que diz “Tudo o que é demais faz mal”? Pois ela é legítima, até mesmo quando falamos em tomar água em excesso. Apesar de desempenhar um papel essencial para o bom funcionamento do nosso organismo, em quantidades exageradas, água demais também pode fazer mal à saúde.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) a quantidade ideal para o consumo diário de água é de 2,5 litros para um homem de 70 kg e 2,2 litros para uma mulher de 58 kg, ou uma média de 8 copos por dia, isso de um modo geral, sem contar alguns fatores individuais (atividade física, temperatura ambiente, situações de doença, entre outros).

É óbvio que em dias mais quentes a necessidade de líquidos é maior, já que perdemos mais líquido pela transpiração.

No entanto, o que deve ser levado em consideração e que merece cuidado, são os alimentos, que em sua grande maioria, também possuem água.

Uma boa forma de verificar se estamos bebendo a quantidade correta de água é pela urina. Se ela estiver muito amarelada ou alaranjada, significa falta de água. Caso esteja clara e transparente, tudo está ok.

O ideal mesmo é respeitar a sua sede!

Nós, que trabalhamos com a parte urinária e miccional, por vezes notamos que o excesso de líquido pode causar perda da qualidade de vida. Isso ocorre principalmente nos pacientes com distúrbios miccionais como bexiga neurogêncica, Parkinson, pacientes que tiveram Acidente vascular cerebral previamente, pacientes portadores de incontinência urinária de esforço, bexiga hiperativa, hiperplasia da próstata, entre outros.

Outra maneira, mais objetiva de se avaliar a real necessidade de líquidos, é medir a diurese em 24 horas. Esse volume não deve exceder 1,8 a 2 litros, que é a quantidade recomendada para pacientes que são portadores de litíase urinária.

 

MAS AFINAL O QUE O EXCESSO DE ÁGUA PODE CAUSAR?

Tomar água em excesso pode diluir o sódio na corrente sanguínea e causar hiponatremia, em outras palavras, intoxicação por água.

Porém, é muito difícil um indivíduo normal desenvolver a doença bebendo só água, visto que isso seria possível apenas se ele consumir quantidades superiores a três ou quatro litros de água por hora.

QUAIS OS SINTOMAS DE HIPONATREMIA?

Os principais sintomas associados à hiponatremia são:

– Náuseas                                          – Confusão Mental

– Vômitos                                          – Fadiga

– Cólicas

Porém, a maioria dos casos de hiponatremia ocorre pela combinação de ingestão excessiva de líquidos e maior secreção da hormona antidiurética.

Como já citado, com o excesso de água no organismo, e a perda de sódio, potássio e magnésio, a pessoa fica propensa ao vômito, convulsão e aumento da pressão intracraniana, que podem causar o rompimento de vasos sanguíneos e provocar um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

 

Fonte:

https://www.einstein.br/noticias/noticia/agua-em-excesso-pode-fazer-mal

https://www.ativosaude.com/saude/hidratacao-beber-agua-demais-faz-mal-a-saude/

Pesquisa aponta que novos casos de câncer são consequência de obesidade e diabetes

Um estudo publicado no Lancet Diabetes & Endocrinology mostrou que as doenças acarretam mais de 792 mil novos casos de câncer por ano.

Se você é um daqueles que não liga muito para alimentação, estética ou saúde física, está na hora de rever os conceitos e o estilo de vida. Um estudo publicado no Lancet Diabetes & Endocrinology, realizado em 2012, mostra que 6% de novos casos de câncer no mundo são fruto de obesidade e diabetes.

Acredita-se, a partir da pesquisa, que os novos casos de câncer são originados e potencializados por altos níveis de insulina ou glicose, inflamação crônica e hormônios sexuais livres no sangue, decorrentes da irresponsabilidade alimentar de grande parte da população mundial.

Separando a amostra por sexo e faixa etária, pesquisadores coletaram dados referentes a 12 tipos de câncer em mais de 175 países e os maiores aumentos em casos cancerígenos vieram de países de baixa e média renda.

E a situação se mostrou ainda mais preocupante para o lado feminino. As mulheres representam quase o dobro de vítimas de câncer por conta de obesidade ou diabetes em relação aos homens. Dos casos, o câncer de mama é o mais intenso, representando 29,7% de todos eles.

Já para o lado masculino, o câncer mais comum, originado da combinação de diabetes e IMC elevado, foi o de fígado, sendo 42,8% dos casos.

Estimativas do estudo acreditam que se a proporção nas taxas de diabetes e obesidade continuar a aumentar neste ritmo, provavelmente, em 2035 teremos 30% novos casos de câncer a mais em mulheres e 20% a mais em homens.

E então, será vale mesmo a pena descuidar de hábitos alimentares agora e colher frutos tão desagradáveis no futuro?

 

Fonte:

http://www.onconews.com.br/site/noticias/noticias/ultimas/3049-obesidade-e-diabetes-aumentam-carga-global-de-c%C3%A2ncer.html

Dieta e câncer de próstata: como o primeiro pode prevenir o segundo?

A doença pode ser fruto da idade avançada, carga genética ou alimentação inadequada. Saiba mais sobre a relação entre dieta e câncer de próstata.

A idade vai chegando e muitos homens, normalmente após os 50 anos, começam a sofrer com problemas de saúde, entre eles o câncer de próstata. A doença está diretamente ligada a fatores genéticos e histórico familiar, o que aumenta muito a probabilidade de desenvolvimento da doença. Mas o que muita gente não sabe é que dieta e câncer de próstata podem ter uma relação de prevenção e tratamento.

QUAIS OS SINTOMAS DO CÂNCER DE PRÓSTATA?

Geralmente, os sintomas aparecem em fases mais avançadas da doença, quando por exemplo o indivíduo sente dificuldades ao urinar, demora para iniciar a micção, retenção urinária ou jato muito fraco. Também apresentam dores ósseas e fraturas patológicas, além de trombose de vasos na minoria dos casos.

No entanto, é extremamente importante que o paciente não espere esses sintomas aparecerem. O ideal é manter consultas e exames regulares com seu urologista, uma vez que o câncer de próstata é uma doença silenciosa e pode ser curado com mais facilidade caso diagnosticado precocemente.

Uma outra forma de prevenção da doença é por meio da alimentação. Mas se engana quem acredita que os alimentos recomendados devem fazer parte da dieta somente após indicação médica ou até aparecerem sinais do câncer. Eles devem se tornar um hábito o quanto antes, começando na juventude e acompanhando o indivíduo até a fase adulta.

Mas afinal, quais alimentos são aliados contra o câncer de próstata? Confira 5 dicas!

LEITE

A indicação é consumir cerca de 500ml de leite por dia. Ele é rico em vitamina D e cálcio, nutrientes que ajudam na destruição de células do corpo que não estão funcionando bem, como as células cancerígenas.

Mas atenção! Consumir mais do que o indicado por dia de leite, pode aumentar as chances de desenvolver o câncer de próstata.

ALHO E CEBOLA

Eles são compostos sulfurosos, nutrientes antioxidantes e que impedem a ação de radicais livres. Meia cebola ou dois dentes de alho por dia são uma boa indicação para diminuir as chances de desenvolvimento da doença.

TOMATE

Rico em licopeno, o tomate é um dos mais aliados contra o câncer de próstata, isso porque essa substância apresenta alto poder antioxidante, podendo diminuir em até 33% as chances da doença.

OLEAGINOSAS (NOZES, CASTANHA, AMENDOINS)

Esses alimentos são altamente recomendados pelos médicos, desde que consumidos na quantidade certa. Na maioria dos casos, duas nozes por dia já são o suficiente. Elas são ricas em selênio, outro mineral antioxidante, mas que também ajuda na renovação das células.

As oleaginosas também melhoram o funcionamento do sistema imunológico, já que possuem também a vitamina E.

BRÓCOLIS, COUVE-FLOR E ESPINAFRE

Esses vegetais são ricos em ácido fólico nutriente que combate o efeito dos radicais livres nas células. Esses alimentos de coloração verde-escuros diminuem e muito os riscos de câncer e seu uso é recomendado pelo menos uma vez por dia para garantir o efeito de prevenção.

 

QUAIS ALIMENTOS DEVEM SER EVITADOS?

Enquanto alguns alimentos não devem faltar na mesa de quem sofre com o câncer de próstata ou tem a pré-disposição de desenvolvê-lo, alguns devem ser evitados. É claro que muitos deles podem ser consumidos, mas com certa moderação e controle. São eles:

– Álcool                                                           – Açucares e adoçantes

– Café                                                              – Produtos alimentares refinados

– Fast Foods                                                   – Batatas e Massas

– Gorduras Saturadas                                   – Arroz branco

DIETA DO MEDITERRÂNEO E ASSOCIAÇÃO COM RISCO MENOR DE CÂNCER DA PRÓSTATA AGRESSIVO

Um estudo recente, publicado no jornal The Urology de fevereiro deste ano, mostra a associação da chamada Dieta do Mediterrâneo a uma menor probabilidade do aparecimento do câncer de próstata agressivo. A dieta, se resume no hábito de ingerir frutas, vegetais, legumes, peixe e azeite de oliva.

Na Espanha, entre 2008 e 2013, foram estudados 754 casos da doença. Dentre elas, foram definidos três tipos de dietas: Ocidental, Prudente e Mediterrânea, e sua relação com tumores de próstata mais agressivos. Curiosamente, pacientes que praticavam a Dieta do Mediterrâneo, tiveram, nesse estudo, uma associação menor com tumores Gleason maiores do que 6, sabidamente mais agressivos.

Esse tipo de observação necessita ainda mais estudos para que o conceito seja cimentado, mas não deixa de ser um estímulo para que todos nós tenhamos uma dieta saudável, que evite produtos industrializados, refrigerantes, conservantes, e químicos em geral.

 

Fonte:

https://www.andrologia.com.br/quais-sao-os-alimentos-que-protegem-prostata/

https://www.aapecan.com.br/artigos/alimentacao-x-cancer-de-prostata

Quais são os sintomas de câncer na bexiga?

Os maiores sintomas de câncer na bexiga, normalmente, aparecem com o avanço da doença, já instalada no corpo a algum tempo.

O câncer na bexiga é uma doença que se alastra pelo corpo e mostra sintomas somente em fases mais avançadas. O início é silencioso, indolor e sem sinais. Mas afinal, como saber quais são, de fato, os sintomas de câncer na bexiga e quando devo procurar um médico?

REPARE SE NÃO ESTÁ TENDO SANGRAMENTOS URINÁRIOS (HEMATÚRIA)

Esse é o principal diante de todos os sintomas de câncer na bexiga e ocorre em 90% dos casos. Sua urina está com coloração mais alaranjada e avermelhada? Não perca tempo. Procure um médico para fazer exames de urina!

VONTADE DE URINAR A TODO MOMENTO

Este sintoma ocorre numa média de 1/3 dos casos de câncer na bexiga. O paciente se queixa de irritação e queimação na região inferior abdominal, além de sentir vontade de urinar a todo momento com muita urgência.

Muitas vezes, pode não ser câncer na bexiga, mas um tumor, infecção ou cálculo na bexiga. Em todo caso, ao aparecer estes sintomas, não deixe de procurar um médico.

SINTOMAS EM CASOS AVANÇADOS

Alguns sinais deixam claro que a doença está num estágio avançado e que precisa, urgentemente, ser tratada por um médico. São elas:

– Impossibilidade de urinar

– Dor lombar

– Anemia decorrente da falta de apetite e de peso

– Fraqueza

– Pés inchados

– Dores ósseas

Não necessariamente indicando câncer na bexiga, esses sintomas citados podem ser indícios de outras doenças na bexiga ou problemas urinários. O importante é nunca deixar de consultar seu médico, que fará o diagnóstico preciso para cada caso.

Saiba mais aqui e marque sua consulta!

 

Fonte:

https://www.vencerocancer.org.br/tipos-de-cancer/cancer-de-bexiga-tipos-de-cancer/sinais-e-sintomas-3/

http://www.oncoguia.org.br/conteudo/sinais-e-sintomas-do-cancer-de-bexiga/1903/202/

Câncer de próstata ganha nova tecnologia que detecta agressividade

Por conta de maior precisão, nova tecnologia garante maior segurança na hora do diagnóstico do câncer de próstata.

Muitos estudos têm sido feitos nos últimos anos acerca de diversas doenças – inclusive sobre o câncer de próstata. Recentemente, por exemplo, pesquisadores da cidade de Ribeirão Preto (SP) desenvolveram uma nova técnica baseada em biologia molecular e inteligência artificial que auxilia no diagnóstico e terapia desse tipo de câncer. Segundo os estudiosos, saber como o tumor se comporta biologicamente, bem como classificá-lo quanto ao risco de metástase (migração do câncer via sanguínea ou linfática), é fundamental para definir qual o melhor tratamento para aquele estágio.

Esse estudo é importante para a ciência, uma vez que quase 60% dos pacientes com câncer de próstata são submetidos a tratamentos intensivos sem sequer sofrerem de metástase – logo, poderiam ser evitados. Diante disso, amostras são coletadas de pacientes em tratamento no Hospital de Câncer de Barretos, interior de São Paulo, analisadas e comparadas a partir de três grupos:

  • Saudáveis: células que não apresentaram recidiva bioquímica ou sinais de metástase em seis anos.
  • Recidivados: tumores que apresentaram algum tipo de recidiva bioquímica ou metástase em seis anos.
  • Metastáticos: amostras que sofreram metástase em até cinco anos.

A partir da análise dessas amostras, os pesquisadores buscam informações personalizadas de como o tumor se comporta por meio da atividade de moléculas nomeadas microRNAs – pequenos RNAs que não conseguem traduzir a informação do DNA em forma de proteína com função específica. E é justamente nesse processo que entra a nova tecnologia desenvolvida, já que o tumor do paciente é analisado através de um algoritmo que identifica qual perfil biológico ele se encaixa (saudáveis, recidivados ou metastáticos), o que gera, assim, um escore de risco.

A pesquisa conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e já apresenta resultados animadores.

Fonte:

http://jornal.usp.br/ciencias/tecnologia/tecnologia-mais-precisa-detecta-agressividade-de-cancer-de-prostata/

Tratamento para Câncer de Próstata com Lutécio radioativo

Estudos e testes revelam uma diminuição da metástase em pacientes que fizeram o tratamento para Câncer de Próstata com essa substância.

No Brasil, o Câncer de Próstata é o segundo mais frequente em homens e o quarto tipo mais comum no geral. A busca por sua cura é constante e, dessa forma, um grupo de cientistas desenvolveu um outro tipo de tratamento para Câncer de Próstata que reduz a metástase.

Considerado uma doença da terceira idade, já que a maioria dos casos ocorre em homens acima de 65 anos, o Câncer de Próstata se caracteriza pelo aumento anormal da glândula próstata, responsável por parte da produção do sêmen.

Alguns tumores podem crescer de forma rápida, podendo espalhar para outros órgãos, o que coloca em risco a vida do paciente. Por isso, o tratamento com Lutécio radioativo foi a nova esperança para controlar essa situação.

A PSMA é uma proteína encontrada em células saudáveis da próstata. Porém, ela é encontrada em grandes quantidades quando há câncer. Como é um ótimo alvo para diagnóstico, o Dr. Matthias Eder, do Centro de Pesquisa do Câncer da Alemanha, montou um grupo de pesquisa com outros sete médicos e professores da área e juntos, eles desenvolveram uma mólecula (PSMA-617), que é capaz de se conectar especificamente com a PSMA, podendo levar substâncias radioativas, chamadas de radionuclídeos.

Quando anexada ao gálio-68, ela pode ser usada para visualizar até pequenas formações de células cancerígenas, que não aparecem em exames. Dessa forma, os médicos podem detectar tumores em outros órgãos.

Ao longo da pesquisa, os doutores desenvolveram uma conexão da PSMA-617 com o 177Lutércio-Octreotato. Através de testes, descobriram que esta substância é absorvida por células cancerígenas e as destrói de dentro para fora, sendo assim, um tratamento promissor, especialmente para o Câncer de Próstata resistente a hormônio, que é mais difícil de tratar.

 

Fontes:

https://www.dkfz.de/en/presse/pressemitteilungen/2015/dkfz-pm-15-26-Award-winning-agent-developed-for-prostate-cancer-diagnosis-and-treatment.php

https://www.einstein.br/especialidades/oncologia/exames-tratamentos/terapia-lutecio-octreotato

http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/prostata

Prevenção do HIV com medicamento chega ao SUS

O Sistema Único de Saúde, SUS, irá incorporar um medicamento para prevenção do HIV. Mas, seu consumo não descarta o uso de preservativos.

O Ministério da Saúde, através do Sistema Único de Saúde (SUS), vai distribuir no Brasil todo, até o final do ano, medicamentos antirretrovirais para reduzir o risco de infecção pelo vírus da AIDS antes da exposição a ele. Esse tipo de prevenção do HIV será ofertado primeiramente em 12 cidades (Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Manaus, Brasília, Florianópolis, Salvador e Ribeirão Preto) para, depois, ser estendido às demais.

A Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) consiste na utilização do antirretroviral (truvada) antes da exposição ao vírus, ou seja, em pessoas que não são infectadas pelo HIV e que têm relações sexuais de risco com maior frequência. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a oferta de PrEP para os seguintes grupos de risco:

  • Casais soro diferentes, gays;
  • Homens que fazem sexo com outros homens;
  • Profissionais do sexo;
  • Pessoas transgêneros (travestis e transexuais).

No Brasil, estima-se que 7 mil pessoas farão uso da PrEP nesse primeiro ano de implantação. O tratamento é contínuo, isto é, o usuário precisa tomar o medicamento todos os dias para a prevenção do HIV ser efetiva. Além disso, a prevenção deve ser combinada – não basta apenas tomar o medicamento, é preciso, também, um conjunto de ações preventivas, tais como:

  • Testagem regular;
  • Profilaxia pós-exposição ao HIV (PEP);
  • Teste durante o pré-natal e tratamento da gestante que possui o vírus em seu organismo;
  • Redução de danos para uso de drogas;
  • Testagem e tratamento de outras infecções sexualmente transmissíveis e das hepatites virais;
  • Uso de preservativo masculino e feminino.

Atualmente, 498 mil brasileiros estão em tratamento devido à AIDS e ao vírus HIV (dados de dezembro de 2016). Por isso, enfatizar a importância da prevenção combinada faz com que as pessoas, principalmente as mais jovens, se conscientizem quanto ao uso do preservativo, uma vez que o medicamento não protege 100% o indivíduo.

 

 

Fontes:
Agência Saúde
http://www.alagoas24horas.com.br/1062802/medicamento-como-prevencao-para-hiv-sera-incorporado-sus/#

 

 

 

Diminuição da libido e disfunção erétil em pacientes tratados para hiperplasia da próstata

Homens portadores do aumento benigno da próstata necessitam passar por tratamentos com remédios que podem levar a efeitos indesejáveis.

O tratamento para homens portadores do aumento benigno da próstata progrediu muito nos últimos anos. Medicações conhecidas como inibidores da enzima 5-Alfa-Redutase (Finasterida, Dutasterida) e também outra categoria, os bloqueadores alfadrenérgicos (Doxazosina, Tansulosina, entre outros) têm sido usados exclusivamente ou em associação.

Um estudo publicado em 2016 por um grupo italiano (Favilla V; Aging Male 2016; 19: 175–181) analisou os efeitos dessas medicações sobre a libido e ereção, tanto em separado como em associação. Os autores compilaram várias publicações que incluíram mais de 6.000 pacientes. A taxa de disfunção erétil foi maior no grupo que usou as duas medicações, no total 7,9% dos pacientes. A taxa de diminuição da libido foi maior também nesse mesmo grupo, somando 3,7%.

Considerando os benefícios que o tratamento traz, com melhora da micção e da qualidade de vida relacionada, a que se balancear entre o custo e o benefício do tratamento clínico. Portanto, mesmo que nem sempre soe bem, a melhor alternativa para esses casos é a cirurgia!

Exame de toque retal e o perigo do preconceito

Segundo pesquisa, 38% dos homens com mais de 60 anos, ‘grupo de risco’ para câncer de próstata, consideram o exame de toque retal desnecessário.

Não é de hoje que se conhece as inúmeras piadas com homens que atingem a idade em que se deve fazer exame de toque retal. Todo esse constrangimento criado em cima do exame faz com que muitos não procurem um médico, ignorando os perigos que isso pode trazer.

O Câncer de Próstata é o segundo mais comum no sexo masculino. É indicado que a partir dos 45 anos o homem comece a frequentar um urologista para a prevenção. Homens com mais de 50 anos possuem maiores chances de ter a doença, sendo os acima de 60 anos considerados como ‘grupo de risco’.

Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), realizada pelo Datafolha, entrevistou 1.062 homens acima de 40 anos nos últimos três meses. Destes, 38% não frequentam o urologista e 32% desconhecem os sintomas de câncer de próstata.

A doença, que se desenvolve lentamente, tem suas primeiras fases assintomáticas. Alguns sinais, como sensação de que a bexiga não esvazia completamente, problemas ao urinar e sangue na urina, já indicam um estágio avançado do câncer. O diagnóstico precoce é essencial para se ter êxito no tratamento e, por isso, o exame de toque retal é tão importante.

Segundo o presidente da SBU, Archimedes Nardozza, o exame é simples, leva apenas alguns segundos e não precisa ser feito em todas as consultas. Porém, é o suficiente para haver brincadeiras e preconceito, o que acaba intimidando os homens a cuidar de sua saúde.

Outros dados da pesquisa revelam que 21% dos entrevistados acham que o exame de toque retal “não é coisa de homem” e 48% afirmam claramente que não fazem por machismo. De acordo com Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia, hoje, mais de 60% dos casos de câncer de próstata são descobertos quando a doença já está muito avançada.

Por isso, deixe o preconceito e os medos de lado. A sua saúde importa mais! Agende consultas em um urologista uma vez por ano e faça os exames necessários.

(41) 3242-5353 | (41) 9925-9999 | (41) 9977-6688

Av. Vicente Machado, 2322 – Batel

 

 

Fontes:

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2017/08/1906321-em-pesquisa-21-dizem-que-exame-de-toque-retal-nao-e-coisa-de-homem.shtml

https://www.andrologia.com.br/saiba-como-prevenir-o-cancer-de-prostata/

 

 

 

 

 

Resultados atuais de cistectomia para o tratamento do câncer de bexiga

Técnica da robótica usada para a realização da cistectomia traz melhorias e inovação para o tratamento do câncer de bexiga.

Publicação do mês de junho de 2017, no renomado Journal of Urology, pelo autor Ahmed A. Hussein e colaboradores, reporta estudo multicentrico para o tratamento cirúrgico de câncer, a cistectomia radical com lifadenectomia, usando a robótica.
Foram 1.894 pacientes operados em 23 diferentes hospitais, de 11 países, em busca de recidivas precoces da doença. Do total, 305 (22%) pacientes apresentaram recidivas, dos quais 220 (16%) doença à distância e 154 (11%) recurrência local, 17 (1%) com recidiva no peritôneo (parede interna do abdômen) e 5 (0,4%) nos portais de acesso ao sítio cirúrgico.
As recidivas de 2006 foram de 10% e de 2015 foram de 6%, mostrando uma clara evolução técnica. Fatores preditivos de uma evolução menos favorável foram o estádio do câncer, e a extensão da doença  nos linfonodos, bem como as complicações associadas à cirurgia.
Ficou comprovado, então, que houve uma melhora dos resultados com o aperfeiçoamento da técnica, sendo o resultado final desfavorável, muito mais ligado à gravidade da doença do que à técnica robótica utilizada. No nosso meio ainda não se utiliza o robô, mas a cirurgia laparoscópica pode parear esses resultados satisfatórios, nessa grave patologia.