Sangue na urina? O que pode ser?

Fique atento à coloração da sua urina, pois se houver sangue pode ser sinal de problemas no sistema urinário ou nos rins. Mas, pode acontecer que a alteração de cor seja proveniente de medicamentos ou alimentos ingeridos e não contenha sangue.

A hematúria – sangue na urina – há diversas causas, entre as quais: câncer na bexiga ou do urotélio, câncer renal, cálculo urinário, insuficiência renal (glomerulonefrites), infecção urinária, cistite intersticial, pólipos vesicais, doença renal policística. Ou ainda pode ter sido causada por algum trauma ou procedimento prévio, cirurgia ou mesmo uma biópsia que o paciente tenha realizado recentemente. Mulheres no período menstrual podem vir a apresentar sangue na urina sem que isso represente doença alguma

Não ignore qualquer sinal de sangue na urina e busque um especialista para receber o diagnóstico e o tratamento adequado, principalmente, se houver perda de peso, desconforto, dor ou urgência ao urinar.

Para confirmar que a urina realmente tem sangue é necessário fazer exames. A investigação laboratorial irá verificar a quantidade de hemácias que há na urina. A hematúria é confirmada quando há mais de 10.000 hemácias por mililitro de urina.

Medicamentos como fenitoína, rifampicina, fenazopiridina (Pyridium) e nitrofurantoína deixam a urina avermelhada, assim como alimentos avermelhados com a beterraba. Por isso, a coloração nem sempre significa sangue.

Consulte um urologista de confiança para um tratamento eficaz.

Entre em contato conosco!

Fumante? Cuidado com o câncer de bexiga

Também conhecido como carcinoma urotelial, o câncer de bexiga surge, em 90% dos casos, no revestimento interno da bexiga (órgão onde fica armazenada a urina). Não se sabe ao certo quais são as causas desse mal, porém se tem evidências de que em cerca de metade dos casos em pessoas do sexo masculino há um histórico de vício em tabagismo; outro grupo de risco são aqueles que trabalham, ou entram em contato direto, com materiais que são cancerígenos, como corantes, borracha, couro, alumínio e pesticidas.

Os sintomas mais comuns podem ser apresentados em outras doenças do trato urinário, por isso sempre consulte um urologista para a avaliação da sua saúde. A mais recorrente em cerca de 80% dos casos, é a presença de sangue visível a olho nu na urina; além disso, também podem ocorrer dores abdominais, dor ou sensibilidade nos ossos, fadiga, dor ao urinar, aumento de frequência de urinar, assim como a urgência em urinar, perda de peso e incontinência urinária.

O diagnóstico é feito por exames que podem incluir a cistoscopia (exame da parte interior da bexiga com uma câmera); a biópsia, que geralmente é feita com a cistoscopia; tomografias; ou análise de urina. Caso exista a confirmação, serão feitos mais exames para determinar em que estágio de progressão o câncer está, ele varia de 0 a 4, e assim determinar o melhor tratamento para cada caso.

Nos estágios 0 e 1, é indicada a remoção do tumor sem remover a bexiga e a quimioterapia aplicada diretamente na região afetada. Nos 2 e 3, há a remoção total ou parcial do órgão, acompanhado de quimioterapia. Já no último estágio, as chances de sobrevivência do paciente são extremamente reduzidas e uma cirurgia é um processo muito agressivo a eles, por isso a indicação é usar apenas a quimioterapia.

De maneira geral, o câncer de bexiga tem um prognóstico melhor a medida que seja detectado mais precocemente.  Apesar de nos primeiros estágios a chance de reincidência seja alta, o tratamento tem uma boa resposta. Para se prevenir, afaste-se de cigarros ou ambientes muito esfumaçados e da exposição a produtos químicos cancerígenos.

Dia do Homem também é dia de prevenção

Todos os anos, no dia 15 de julho, é celebrado o Dia Nacional do Homem. A criação da data teve como objetivo a promoção da saúde e a busca por igualdade entre gêneros, reforçando a importância da prevenção de doenças por meio de exames e consultas periódicas com um médico.

Como o urologista é tido hoje como o médico do homem vemos a oportunidade de chamar a atenção não só dos homens, mas também das esposas, mães, filhas, irmãs desses que são os grandes provedores dos lares brasileiros, e que merecem ter sua saúde sempre em perfeita ordem.

Um estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) revelou que os índices relacionados ao acompanhamento médico de rotina ainda estão muito abaixo do ideal. De acordo com a pesquisa, realizada em seis capitais brasileiras com 5 mil homens, 44% dos entrevistados nunca passaram em consulta com um urologista e tampouco realizaram exames preventivos.

O recomendado é que os homens em geral, desde sua infância, tenham oportunidade de diagnosticar alterações como fimose, distopia testicular, e varicocele para falar das mais comuns. Lembrar que o câncer do testículo é o câncer mais comum do adulto jovem até os 40 anos de idade. O adulto jovem tem a fertilidade como fator de atenção, sendo que a metade dos casos de infertilidade pode ter o homem como responsável.

A sexualidade está fortemente presente desde adolescência até os últimos dias de vida da população masculina. O câncer da próstata, o mais comum do homem brasileiro, tem sido alardeado há mais de 30 anos. Para esse fim, frequentar o urologista a partir dos 45 anos de idade. Aqueles que possuem familiares diretos que sofrem ou já sofreram de câncer de próstata e os de raça negra devem começar as consultas por volta dos 40 anos de idade. E viva a saúde do homem.

Câncer de Bexiga – Novos conceitos para a tradicional ressecção trans-uretral

Um dos mais importantes pilares do tratamento do Câncer de Bexiga á a tradicional ressecção trans-uretral. Conceitos já sedimentodos e novo sparadigmas foram publicados na edição OnLine de Fevereiro de 2014, no Journal of Urology por Kyle A. Richards e cols.

Técnica refinada e a experiência do cirurgião mostraram-se fundamentais para a qualidade do procedimento. Ainda mais, o uso da anestesia regional e a re-ressecção nos tumores estádi o T1 mostraram-se importantes ferramentas na condução dessa doença frequente em pacientes idosos e tabagistas.

Os autores concluem que avanços recentes na técnica da ressecção endoscópica de tumores de bexiga facilitaram e aperfeiçoaram o diagnóstico e melhoraram o tratamento do câncer não invasivo da bexiga.

Imagem: Shutterstock/Piotr_pabijan

Como se descobre o câncer na bexiga

Sintomas como sangue na urina não seguido de dor levantam suspeitas. A urgência miccional é também outra reclamação frequente dos pacientes que procuram por um profissional. Este sintoma levanta mais preocupações, pois pode ter relação com quadros mais graves como a disseminação do carcinoma ou infiltração na parede do órgão.

Prevenção de Câncer na Bexiga

A prevenção consiste em evitarmos os fatores de risco. Se por um lado ainda não há como nos livrarmos do lado genético, é plenamente possível não cultivarmos o hábito de fumar, já que o tabaco aumenta em até quatro vezes a chance do acometimento. Lembre que hoje há novas técnicas e drogas que auxiliam em muito aquele que quer largar o fumo. Evitar os ambientes de trabalho onde há exposição às aminas aromáticas (indústrias químicas, petróleo, borrachas, tintas, outras) também é importante, o que por vezes não é possível, quando implica em troca de emprego, por exemplo. Apesar de nada ainda comprovado, é bem possível que a ingestão de grandes quantidades de água diariamente, seja essencial na prevenção, já que diminuiria o tempo de exposição da mucosa vesical aos agentes carcinogênicos. Se você tiver a curiosidade, meça a quantidade de urina produzida em 24 horas, a qual deve ser maior que 1 litro.