FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRIMEIRA INFECÇÃO URINÁRIA

A infecção urinária é muito comum nas mulheres jovens. Até os 24 anos de idade, a grande maioria das moças já tiveram de ser medicadas para essa doença. Dez por cento da população feminina pode ser afetada no período de um ano e 60% das mulheres podem necessitar tratamento pelo menos uma vez na vida
Estudo recente, publicado em 2013 (Charles R. Vincent e cols, J Urol) relata os fatores de risco associados ao primeiro episódio de infecção urinária em mulheres jovens. Os resultados mostraram que as mulheres que tiveram atividade sexual (masturbação, uso dispositivos vaginais – vibradores, sexo vaginal e sexo oral) foram mais acometidas com infecção. Mostraram ainda correlação com a infecção o maior número de parceiros a maior frequência sexual. Um dado obtido ainda foi que o consumo de álcool esteve relacionado ao comportamento sexual específico dessas jovens.
Esses resultados são compatíveis com uma série de outras publicações e já consolidados na literatura.
Para essa população, outros fatores bem determinados que predispõe à infecção são alterações anatômicas do trato urinária que levem à obstrução, refluxo vésico-ureteral, diabetes, HIV, lesões da medula espinhal e gestação

Usar camisinha diminui o risco de infecção?

Geralmente, as pessoas relacionam o uso da camisinha apenas como sendo um método contraceptivo. Mas, na verdade, a camisinha é a maior proteção que existe para o aparelho sexual tanto de homens quanto de mulheres.

A infecção urinária acontece quando bactérias se alojam nos tratos urinários, geralmente trazidas do intestino. O índice de mulheres com infecção urinária é superior aos homens, quase 50% das mulheres se não tiveram, terão essa infecção futuramente. Isso ocorre pelo órgão sexual feminino ser mais exposto do que o masculino.

Vários motivos levam à infecção urinária como a higiene inadequada, uma predisposição do próprio indivíduo (as células do revestimento uretral têm receptores para essas bactérias), muito tempo sem esvaziar a bexiga, e também o ato sexual.

Se um dos parceiros no ato sexual for portador de uma bactéria que cause principalmente a uretrite, ou vulvovaginite, e sem a proteção da camisinha, as chances de contaminar o(a) parceiro(a) são altas. As infecções relacionadas mais comuns são por Chlamydia, Gonococo, Trichomonas, entre outras. Vale a pena ressaltar que, por vezes, pessoas são portadoras assintomáticas desses micro-organismos.

A camisinha não só previne a gravidez como também protege contra todas as doenças sexualmente transmissíveis.  Atualmente, há um crescente número de casos de sífilis, gonorréia, HPV e Herpes simples genital. Sexo seguro é com camisinha.

Consulte sempre um urologista para uma orientação correta.

www.drguimaraes.com.br

Dia do Homem também é dia de prevenção

Todos os anos, no dia 15 de julho, é celebrado o Dia Nacional do Homem. A criação da data teve como objetivo a promoção da saúde e a busca por igualdade entre gêneros, reforçando a importância da prevenção de doenças por meio de exames e consultas periódicas com um médico.

Como o urologista é tido hoje como o médico do homem vemos a oportunidade de chamar a atenção não só dos homens, mas também das esposas, mães, filhas, irmãs desses que são os grandes provedores dos lares brasileiros, e que merecem ter sua saúde sempre em perfeita ordem.

Um estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) revelou que os índices relacionados ao acompanhamento médico de rotina ainda estão muito abaixo do ideal. De acordo com a pesquisa, realizada em seis capitais brasileiras com 5 mil homens, 44% dos entrevistados nunca passaram em consulta com um urologista e tampouco realizaram exames preventivos.

O recomendado é que os homens em geral, desde sua infância, tenham oportunidade de diagnosticar alterações como fimose, distopia testicular, e varicocele para falar das mais comuns. Lembrar que o câncer do testículo é o câncer mais comum do adulto jovem até os 40 anos de idade. O adulto jovem tem a fertilidade como fator de atenção, sendo que a metade dos casos de infertilidade pode ter o homem como responsável.

A sexualidade está fortemente presente desde adolescência até os últimos dias de vida da população masculina. O câncer da próstata, o mais comum do homem brasileiro, tem sido alardeado há mais de 30 anos. Para esse fim, frequentar o urologista a partir dos 45 anos de idade. Aqueles que possuem familiares diretos que sofrem ou já sofreram de câncer de próstata e os de raça negra devem começar as consultas por volta dos 40 anos de idade. E viva a saúde do homem.

Infecção urinária na gestação

A infecção urinária é um incômodo comum durante a gravidez, atingindo cerca de 5% a 15% das gestantes. Seus sintomas podem aparecer desde o inicio da gestação e se não tratada corretamente, a infecção pode resultar em complicações sérias. Uma das causas para explicar a infecção urinária é a alteração hormonal que modifica a imunidade da gestante e causa dilatação, juntamente com o concepto dos ureteres e dos rins, favorecendo o ataque de bactérias na região. Uma diurese efetiva de pelo menos 1,2 litros ao dia e micções frequentes, a cada 2 horas durante o dia, podem ajudar a prevenir o quadro.

Os tormentos da infecção urinária

Ao sentir dor ou ardência ao urinar, fique atento. Essa sensação que parece um simples desconforto pode ser sinal de um problema sério, que atinge principalmente as mulheres: a infecção urinária. A doença é causada por bactérias que se proliferam nas vias urinárias e causam infecção na região.

Esta é a segunda infecção mais comum e fica atrás apenas da gripe, que é causada por vírus. Entre as infecções causadas por bactérias, a infecção urinária está em primeiro lugar, segundo o Centro de Referência da Saúde do Homem.