Diminuição da libido e disfunção erétil em pacientes tratados para hiperplasia da próstata

Homens portadores do aumento benigno da próstata necessitam passar por tratamentos com remédios que podem levar a efeitos indesejáveis.

O tratamento para homens portadores do aumento benigno da próstata progrediu muito nos últimos anos. Medicações conhecidas como inibidores da enzima 5-Alfa-Redutase (Finasterida, Dutasterida) e também outra categoria, os bloqueadores alfadrenérgicos (Doxazosina, Tansulosina, entre outros) têm sido usados exclusivamente ou em associação.

Um estudo publicado em 2016 por um grupo italiano (Favilla V; Aging Male 2016; 19: 175–181) analisou os efeitos dessas medicações sobre a libido e ereção, tanto em separado como em associação. Os autores compilaram várias publicações que incluíram mais de 6.000 pacientes. A taxa de disfunção erétil foi maior no grupo que usou as duas medicações, no total 7,9% dos pacientes. A taxa de diminuição da libido foi maior também nesse mesmo grupo, somando 3,7%.

Considerando os benefícios que o tratamento traz, com melhora da micção e da qualidade de vida relacionada, a que se balancear entre o custo e o benefício do tratamento clínico. Portanto, mesmo que nem sempre soe bem, a melhor alternativa para esses casos é a cirurgia!

Câncer de próstata: cirurgia robótica ou aberta?

Saiba qual tipo de cirurgia escolher no tratamento do câncer de próstata

A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que a partir dos 50 anos, homens avaliem a saúde da próstata através do exame de sangue do antígeno prostático específico (PSA) e do exame do toque. A idade de alerta cai para 40 a 45 anos, para homens afrodescendentes ou que possuam histórico familiar de câncer de próstata. O acompanhamento deve ser anual, uma vez que, em sua fase inicial, onde as chances de cura são altas, a doença não apresenta nenhuma alteração ao paciente, ao urinar ou mesmo dor.

A maior parte dos pacientes com câncer de próstata localizado passa por cirurgia, mas a radioterapia e a chamada vigilância ativa também são alternativas.

De um modo geral, os casos menos agressivos de câncer de próstata são manejados com a vigilância ativa, e quando a expectativa de vida é superior a 10 anos, adota-se o tratamento cirúrgico

Dentre os tipos de procedimentos cirúrgicos, estão o convencional – chamado também de cirurgia aberta – laparoscópica e o robótico.

Independentemente do método, a cirurgia para o tratamento do câncer de próstata é a mesma. Se retira toda a próstata, as vesículas seminais localizadas atrás do órgão e os gânglios linfáticos da região pélvica. Como a uretra masculina passa por dentro da próstata, o médico precisa refazer a sutura da bexiga com a uretra.

A cirurgia aberta tem como pontos negativos um maior tempo de recuperação, maior tempo de internação e maiores chances de sangramento. Já como pontos positivos, o método cirúrgico para tratar o câncer de próstata apresenta baixo custo. O que é impactante no nosso meio.

O procedimento robótico tem como seu principal ponto negativo o alto custo e complexidade. Além de um tempo de hospitalização menor, fazendo com que o retorno às atividades seja mais rápido, também tem como pontos positivos o menor uso de analgésicos.

A cirurgia laparoscópica evoluiu muito nos últimos dez anos e é uma alternativa simplificada ao uso do robô. Tem apresentado também menos sangramento, menos dias de hospitalização e menos uso de analgésicos no pós-operatório, em comparação com a cirurgia aberta

Em resumo, nenhum dos três métodos cirúrgicos para tratar o câncer de próstata mostrou um controle superior à doença oncológica ou das complicações, impotência ou incontinência. Temos indicado o que de melhor pode ser aplicado em cada caso.

O mais importante é que não haja negligência por parte dos homens adiando o acompanhamento médico, já que o câncer de próstata em seu início, não apresenta sintomas. Mas caso eles já estejam presentes, é indispensável o acompanhamento médico especializado para sanar dúvidas e definir o melhor tratamento.

Câncer deve atingir mais de 295 mil homens em 2016, diz levantamento

No Brasil, já foram registradas mais de 180 mil mortes por câncer em 2013, segundo o último levantamento feito pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA). Entre os homens, são esperados mais de 295 mil novos casos, neste ano, no qual os mais incidentes serão os de próstata (61.200), pulmão (17.330), cólon e reto (16.660), estômago (12.920), cavidade oral (11.140), esôfago (7.950), bexiga (7.200), laringe (6.360) e leucemias (5.540).

No dia 4 de fevereiro é comemorado o dia que simboliza a conscientização para evitar o câncer. O INCA criou a campanha “Nós podemos. Eu posso”, com dicas de atitudes que podem evitar o aparecimento de doenças graves, como o câncer. São seis pontos para melhorar a qualidade de vida que podem ser seguidos diariamente. Confira aqui.

Neste contexto, é importante dar atenção aos sintomas que o organismo emite e que facilita o diagnóstico precoce da doença. Há uma discussão entre os profissionais da saúde que apontam alguns fatores que podem contribuir para o aparecimento de câncer, como o álcool, por exemplo, que está entre os um dos fatores externos que funcionam como predisponentes.

De fato, existe poucas informações que crie uma relação direta entre a doença e o consumo de bebidas alcoólicas. Já é bem aceito que o abuso do álcool aumenta as chances de tumores como esôfago, estômago e mesmo o fígado. E mais, a revista European Journal of Cancer, em 2010, publicou um artigo sobre o risco de câncer e o consumo de álcool entre homens na Finlândia. Na ocasião, foi identificado uma relação linear entre a ingestão de álcool e o aparecimento de câncer – os homens com maior nível de consumo de álcool apresentaram um risco maior do que os homens com menor nível de consumo. Os valores foram ajustados para fatores como idade, consumo de cigarro, consumo de calorias e capacidade cardiorrespiratória.

Pode-se afirmar que existe uma relação, por menor que seja, que contribui para o aumentar o risco da doença. A recomendação, aceita como segura, para consumo de álcool, segundo a Organização Mundial da Saúde, é de 15 g para mulheres e 30g para homens, o equivalente a três copos de chopes ou apenas uma dose de uísque, por dia.

É importante compreender, que além dos fatores genéticos, que influenciam para o aparecimento de câncer, as atitudes diárias são fundamentais para evitar e combater diversas doenças graves. Manter atividades físicas regularmente, uma alimentação saudável, evitar ambientes poluídos, evitar o tabagismo e cultivar um estilo de vida mais saudável, são dicas básicas que ajudam nessa caminhada. Outro fator fundamental, são as avaliações médicas periódicas, que identificam qualquer anomalia e agiliza no diagnóstico precoce.

Fique atento a qualquer mudança em seu corpo e se tiver algum desconforto procure seu médico!

 

Referência:

– Portal INCA

– Revista European Journal of Cancer

Tratamento Hiperplasia da Próstata

Muito se tem falado sobre tratamentos feitos um a um, para cada indivíduo, principalmenbte na área de oncologia. Aquilo que era uma promesa já é hoje realidade, não só para o câncer. O estudo genético pode mostrar-nos pegadas e nos auxiliar na escolha do tratamento para cada indivíduo. Trabalho publicado por Bechis e cols (Harvard Medical School) demonstrou que a idade e a obesidade podem causar alteração do gene 5-alfa-redutase-2 da próstata, importante para o entendimento da hiperplasia da próstata

Oitenta por cento dos homens com mais de 70 anos apresentam hiperplasia prostática benigna sintomática e sintomas urinários do trato inferior. O uso de medicações que bloqueiam a enzima 5-alfa-redutase diminuem de forma significativa o risco de progressão clínica e tem sido frequentemente utilizadas (Finasterida, dutasterida)

Identifique rapidamente um câncer urológico

A especialidade de um médico oncologista urológico são os cânceres que afetam os rins, bexiga, próstata, pênis e testículo. Ou seja, ele não se limita apenas ao de próstata, o mais conhecido pela população.

Em qualquer tipo de câncer, seja ele urológico ou não, é de extrema importância o seu diagnóstico precoce, isso aumenta drasticamente as chances de cura do paciente e, em alguns casos, não é necessária a quimioterapia ou radioterapia (tratamentos muito agressivos ao corpo humano).

Veja os principais sintomas dos cânceres urológicos:

 

  • Bexiga: em cerca de 85% dos casos há sangue na urina. Fumantes, pessoas que trabalham com químicos, corantes, pixe ou asfalto, tintas, borrachas, indústria petro-química, possuem maiores chances de desenvolver a doença.
  • Pênis: é um tipo de câncer que se desenvolve em pacientes com fimose ou com algum impedimento para higienizar adequadamente o órgão. Esse tumor se caracteriza por UMA FERIDA QUE NÃO CICATRIZA, ou verruga ou tumor no corpo do pênis que não cicatriza após seis semanas! Há uma associação com o vírus do HPV, popularmente conhecido como verruga venérea, crista de galo, ou cavalo de crista. De forma geral, é uma doença que pode ser facilmente evitada com a higienização correta e frequente do pênis.
  • Próstata: é o tumor mais frequente nos homens e a segunda maior causa de morte por câncer no sexo masculino. Isso acontece devido a ausência de sintomas em sua fase inicial, por isso a importância dos exames preventivos. Nas fases mais desenvolvidas é comum ter dificuldades para urinar (jato muito fraco, dificuldade para controlar ou para manter o jato, urinar em gotas, incontinência urinária) e dores na parte baixa das costas ou na pélvis. Em casos mais raros há sangue na urina ou no esperma, dores nos testículos, pênis e na passagem da urina.
  • Rim: sintomas comuns do câncer de rim são dores lombares e sangue na urina. É mais comum em pessoas a partir dos 50 anos e seu tratamento é feito pela cirurgia de laparoscopia. Como ele é facilmente detectado precocemente por exames de imagem ou em exames de rotina, seus índices de cura são altos.
  • Testículo: esse câncer afeta, em sua maior parte, jovens e adultos entre 15 e 34 anos, que possuem criptorquidia (testículo fora da bolsa escrotal). Seu sintoma mais comum é o surgimento de um nódulo indolor, de aproximadamente o tamanho de uma ervilha, no escroto, o qual aumenta progressivamente de volume. Outros fatores como endurecimento da região, massas abdominais, sangue na urina e até sensibilidade nos mamilos ou aumento do volume da mama, podem indicar um câncer de testículo.

 

Os exames de rotina são de extrema importância e podem salvar vidas. Vá ao urologista sempre que seu médico indicar ou anualmente após os 45 de idade.

Tratamento cirúrgico da hiperplasia da próstata: Laser ou RTU?

Há muitos anos se tem procurado um tratamento que substitua com vantagens a nossa já conhecida e tradicional ressecção transuretral (RTU) da próstata para o tratamento da hiperplasia prostática benigna. Novas tecnologias como o laser tem sido utilizadas. Nesse mês de fevereiro de 2015, no conceituado Journal of Urology, o autor Bachman e colaboradores relata estudo multicêntrico comparando esses dois tratamentos. Os resultados terapêuticos foram comparáveis, com a vantagem de que com o laser há menor sangramento. Porém o índice de complicações, apesar de similar, mostrou-se 4,1% maior no grupo do laser.

É esperar para ver o que vem no futuro.

Câncer da próstata recorrente em linfonodos

Estudo a ser publicado em janeiro de 2015, no Journal of Urology (Karnes, e cols),  estudou 52 homens tratados com linfadenectomia de resgate, pós prostatectomia radical. A doença localizada nos linfonodos foi detectada através do Pet Scan de colina, exame que tem sido mais e mais usado para fins de estadiamento pós operatório, quando o PSA sobe após a cirurgia curativa. A sobrevida câncer específica foi de 92,5%, indicando que, em casos selecionados, essa opção pode se tornar uma prática efetiva no futuro próximo.

Nova lei garantirá o exame de detecção precoce do câncer de próstata

No último dia 26, em Diário Oficial da União, foi publicada a Lei 13.045. Ela garante a detecção precoce do câncer de próstata pelo SUS.

Isso significa que quando houver a suspeita ou um quadro promissor ao desenvolvimento da doença, um médico do SUS deverá encaminhar o procedimento clínico para o bem da saúde do paciente.

Segundo o Inca, esse é o sexto câncer mais recorrente do mundo (é tamanha a frequência dele que, mesmo afetando apenas homens, ainda é um dos líderes em incidência) e com a representação de 10% dos canceres em homens ou seja, o mais prevalente de todos os tipos. Ainda segundo o Instituto Nacional de Câncer, só nesse final de ano, estima-se que cerca de 68 mil casos de câncer de próstata serão registrados.

Mesmo que a doença seja mais recorrente em idosos, o exame preventivo deve ser feito pelo menos uma vez ao ano após os 40 anos de idade. Outra dica é a ingestão de licopeno, presente em grandes quantidades em tomates cozidos (o cozimento facilita a absorção da substância).

Fique atento a qualquer mudança em sua região genital ou no funcionamento do seu corpo e consulte o mais rápido possível um médico para diagnosticá-lo cedo e aumentar suas chances de cura, independente da doença apresentada.

Dia do Homem também é dia de prevenção

Todos os anos, no dia 15 de julho, é celebrado o Dia Nacional do Homem. A criação da data teve como objetivo a promoção da saúde e a busca por igualdade entre gêneros, reforçando a importância da prevenção de doenças por meio de exames e consultas periódicas com um médico.

Como o urologista é tido hoje como o médico do homem vemos a oportunidade de chamar a atenção não só dos homens, mas também das esposas, mães, filhas, irmãs desses que são os grandes provedores dos lares brasileiros, e que merecem ter sua saúde sempre em perfeita ordem.

Um estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) revelou que os índices relacionados ao acompanhamento médico de rotina ainda estão muito abaixo do ideal. De acordo com a pesquisa, realizada em seis capitais brasileiras com 5 mil homens, 44% dos entrevistados nunca passaram em consulta com um urologista e tampouco realizaram exames preventivos.

O recomendado é que os homens em geral, desde sua infância, tenham oportunidade de diagnosticar alterações como fimose, distopia testicular, e varicocele para falar das mais comuns. Lembrar que o câncer do testículo é o câncer mais comum do adulto jovem até os 40 anos de idade. O adulto jovem tem a fertilidade como fator de atenção, sendo que a metade dos casos de infertilidade pode ter o homem como responsável.

A sexualidade está fortemente presente desde adolescência até os últimos dias de vida da população masculina. O câncer da próstata, o mais comum do homem brasileiro, tem sido alardeado há mais de 30 anos. Para esse fim, frequentar o urologista a partir dos 45 anos de idade. Aqueles que possuem familiares diretos que sofrem ou já sofreram de câncer de próstata e os de raça negra devem começar as consultas por volta dos 40 anos de idade. E viva a saúde do homem.

Biópsia líquida em câncer da próstata

Com as dificuldades inerentes ao métodos que hoje usamos para o diagnóstico do câncer da próstata, muito se tem tentado para substituir a biópsia da próstata. Resultados intrigantes e promissores usam o conceito novo de células tumorais circulantes, ou biópsia líquida. O método é não invasivo, é reproduzível e tem sido utilizado hoje para o monitoramento da doença prostática avançada. Autores da Universidade do Sul da Califórnia (Hu B et al) publicaram recentemente que não apenas o número dessas células circulantes, mas também características moleculares sofisticadas, podem no futuro substituir a tradicional biópsia.

Foto: Shutterstock/Maksym Dykha