Vigilância ativa para o câncer da próstata

Muitos homens portadores de câncer da próstata, aqueles de baixo potencial agressivo, são hoje manejados de um modo expectante, a chamada vigilância ativa. Alguns hoje oferecem essa conduta para todos os pacientes portadores de câncer da próstata Gleason 6. Estudo publicado no Journal of Urology desse mês de setembro de 2015, Vol 194, (610), por Stephen Overholser, da Universidade do Texas, e colaboradores relata dados do chamado Early Detection Research Network do National Cancer Institute, numa população de 3828 homens. Aproximadamente dois terços dos pacientes acometidos foram manejados com vigilância ativa na época do diagnóstico. Desse grupo, aqueles que optaram por operar, ao invés de aguardar, um terço se mostrou com estádio clínico ou patológico maior que o inicialmente classificado. Esses dados são compatíveis com o que já há hoje publicado e pode orientar a decisão de cada paciente individualmente. É mais uma peça no quebra-cabeça dessa doença comum entre os homens que tem mais de 50 anos de idade

 

Fonte de pesquisa:

Active Surveillance for Prostate Cancer

Men diagnosed with prostate cancer were analyzed in a study from the Early Detection Research Network of the National Cancer Institute ( page 680).5 Two-thirds of men qualified for active surveillance at the time of diagnosis and of those who qualified but chose surgery, a third had pathological upgrading or up staging of the tumors. These findings are in line with prior investigations and add interesting information to the debate about the role of active surveillance for prostate cancer. The Journal of Urology

Volume 194, Issue 3, September 2015, Pages 609–610

Quando ir ao urologista

As mulheres vão ao ginecologista desde o início da adolescência, muitas vezes acompanhadas pela mãe. E os meninos, vão ao urologista? Sabe-se da resistência masculina quando o assunto é ir ao médico. A consulta com um urologista deve acontecer em várias ocasiões e não somente após os 40 anos.

Em geral, os homens se preocupam com a saúde do órgão reprodutor quando envelhecem, pois é preciso fazer exames preventivos de câncer de próstata. Mas, ainda na infância, pode ocorrer a criptorquidia (testículo não desce ao saco escrotal), a fimose, hidrocele (excesso de líquido no escroto) e a torção do testículo.

Na puberdade, pode-se fazer acompanhamento urológico ao perceber modificação nos órgãos genitais para preservar a capacidade reprodutiva. A partir dos 40 anos, deve-se fazer um check up. As doenças mais comuns após essa faixa etária são as cardiovasculares e o câncer, que nem sempre são fáceis de se identificar.

A alimentação saudável também contribui para a saúde do homem, assim como o hábito da atividade física, de não fumar e nem consumir bebidas alcoólicas.

O urologista Manoel Guimarães trata:

· Câncer de próstata

· Câncer de bexiga

· Câncer de rim

· Infecção urinária

· Cálculos

· Impotência