Câncer deve atingir mais de 295 mil homens em 2016, diz levantamento

No Brasil, já foram registradas mais de 180 mil mortes por câncer em 2013, segundo o último levantamento feito pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA). Entre os homens, são esperados mais de 295 mil novos casos, neste ano, no qual os mais incidentes serão os de próstata (61.200), pulmão (17.330), cólon e reto (16.660), estômago (12.920), cavidade oral (11.140), esôfago (7.950), bexiga (7.200), laringe (6.360) e leucemias (5.540).

No dia 4 de fevereiro é comemorado o dia que simboliza a conscientização para evitar o câncer. O INCA criou a campanha “Nós podemos. Eu posso”, com dicas de atitudes que podem evitar o aparecimento de doenças graves, como o câncer. São seis pontos para melhorar a qualidade de vida que podem ser seguidos diariamente. Confira aqui.

Neste contexto, é importante dar atenção aos sintomas que o organismo emite e que facilita o diagnóstico precoce da doença. Há uma discussão entre os profissionais da saúde que apontam alguns fatores que podem contribuir para o aparecimento de câncer, como o álcool, por exemplo, que está entre os um dos fatores externos que funcionam como predisponentes.

De fato, existe poucas informações que crie uma relação direta entre a doença e o consumo de bebidas alcoólicas. Já é bem aceito que o abuso do álcool aumenta as chances de tumores como esôfago, estômago e mesmo o fígado. E mais, a revista European Journal of Cancer, em 2010, publicou um artigo sobre o risco de câncer e o consumo de álcool entre homens na Finlândia. Na ocasião, foi identificado uma relação linear entre a ingestão de álcool e o aparecimento de câncer – os homens com maior nível de consumo de álcool apresentaram um risco maior do que os homens com menor nível de consumo. Os valores foram ajustados para fatores como idade, consumo de cigarro, consumo de calorias e capacidade cardiorrespiratória.

Pode-se afirmar que existe uma relação, por menor que seja, que contribui para o aumentar o risco da doença. A recomendação, aceita como segura, para consumo de álcool, segundo a Organização Mundial da Saúde, é de 15 g para mulheres e 30g para homens, o equivalente a três copos de chopes ou apenas uma dose de uísque, por dia.

É importante compreender, que além dos fatores genéticos, que influenciam para o aparecimento de câncer, as atitudes diárias são fundamentais para evitar e combater diversas doenças graves. Manter atividades físicas regularmente, uma alimentação saudável, evitar ambientes poluídos, evitar o tabagismo e cultivar um estilo de vida mais saudável, são dicas básicas que ajudam nessa caminhada. Outro fator fundamental, são as avaliações médicas periódicas, que identificam qualquer anomalia e agiliza no diagnóstico precoce.

Fique atento a qualquer mudança em seu corpo e se tiver algum desconforto procure seu médico!

 

Referência:

– Portal INCA

– Revista European Journal of Cancer

Tabagismo leva a disfunção sexual

Que cigarros causam mal à saúde já é de conhecimento de todos, mas sabia que o tabagismo é um dos maiores causadores das disfunções sexuais?  Tendo em consideração que segundo pesquisas, 10% da população masculina, mais ou menos 6 milhões de homens, sofrem com impotência sexual.

Deixar claro que o cigarro leva a impotência, não a infertilidade. A impotência é quando o homem não consegue manter uma ereção durante o ato sexual, já na infertilidade o homem não consegue gerar um filho. Com essa diferença explicada, vamos voltar para o fato que o tabagismo leva a disfunção sexual.

Nos fumantes o que ocorre é que a tensão arterial peniana é muito baixa, devido ao endurecimento das artérias por todos os produtos químicos do cigarro. Com a diminuição do fluxo de sangue, o pênis não consegue se manter rígido para uma ereção. A nicotina em especial pode gerar também o que se chama de dilatação venosa, esse produto atinge o sistema valvular que regula a circulação sanguínea do pênis, e quando esse sistema é atingido o que acontece é que o sangue saí mais rápido do pênis, resultando em uma ereção bem curta.

A disfunção sexual tem cura. É primordial primeiramente descobrir a causa dessa impotência, sendo a nicotina, o primeiro passo é largar o tabagismo, e com auxílio de um médico, seguir um tratamento psicológico ou medicamentoso para a volta das funções do corpo.

Estamos dispostos a ajudá-lo.

www.drguimaraes.com.br