Exercícios Físicos Beneficiam Idosos com Câncer, Revela Estudo Brasileiro

A saúde é um bem precioso que todos devemos cuidar, independentemente da idade ou condição de saúde. E um novo estudo brasileiro apresentado no Encontro Anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (Asco 2024) trouxe uma descoberta significativa: mesmo idosos em estágios avançados de câncer podem se beneficiar da prática de exercícios físicos.

Conduzido pelo renomado oncologista Paulo Bergerot, da Onclínicas&Co, este estudo oferece esperança e uma nova perspectiva para os pacientes idosos que enfrentam essa doença desafiadora. Os resultados revelaram que uma rotina personalizada de atividade física pode não apenas melhorar a qualidade de vida, mas também aliviar alguns dos efeitos colaterais dos tratamentos, como imunoterapia e quimioterapia.

O estudo envolveu 41 participantes, todos com mais de 65 anos e diagnosticados com cânceres em estágios avançados (3 ou 4). Eles estavam iniciando tratamentos sistêmicos, como quimioterapia ou imunoterapia. Um ponto-chave dessa pesquisa foi a abordagem personalizada adotada pelos pesquisadores. Cada participante recebeu uma rotina de exercícios adaptada às suas necessidades e condições individuais.

Sabemos que a adesão e a continuidade dos exercícios são desafiantes para qualquer pessoa, mas para os pacientes com câncer, especialmente os idosos, esses desafios são ainda maiores. No entanto, os resultados deste estudo demonstraram que é possível superar essas barreiras. Com o auxílio de um educador físico, os participantes seguiram uma rotina que considerava seu quadro clínico e suas circunstâncias diárias, incluindo o uso de equipamentos disponíveis em suas próprias residências.

Após 12 semanas de atividade física moderada, os participantes apresentaram uma melhora significativa na qualidade de vida, com um aumento médio de cerca de 10 pontos na escala FACT-G. Esta escala avalia diferentes aspectos do bem-estar, como físico, social, emocional e funcional, e os resultados indicam uma melhoria geral nessas áreas.

Além disso, a prática regular de exercícios também mostrou-se eficaz na redução de sintomas relacionados ao câncer e nos efeitos colaterais dos tratamentos. Essa descoberta destaca a importância de incorporar atividades físicas na rotina de cuidados de pacientes idosos com câncer, oferecendo não apenas benefícios físicos, mas também emocionais e sociais.

Em resumo, este estudo oferece uma mensagem clara e inspiradora: mesmo em face de desafios significativos, como o câncer em estágios avançados e a idade avançada, a prática de exercícios físicos pode desempenhar um papel crucial na melhoria da qualidade de vida e no bem-estar geral dos pacientes. É hora de redefinir a abordagem ao tratamento do câncer, integrando atividades físicas como parte essencial do cuidado integral ao paciente.

Este é apenas o começo de uma jornada promissora, onde a saúde e o bem-estar continuam a ser prioridades, independentemente dos desafios que enfrentamos. E que cada passo dado, por menor que seja, nos aproxima de uma vida mais plena e saudável.

Vamos juntos nessa busca por uma saúde melhor, uma vida melhor.